Um dos maiores dilemas com o nosso cabelo, a partir dos 35/40: deixar os cabelos brancos brilhar ou cortar-lhes o pio, mantendo a cor ou going blond? É uma luta, é uma adaptação?

Comigo está a ser assim: quando começaram a aparecer os primeiros, eu estava numa fase de cabelo sem tintas, e assim me mantive até que, depois do nascimento do M., eles passaram a despontar como cogumelos, fungos insidiosos,  mais e mais. Já me bastava o cansaço da maternidade, cabelos brancos era o fim da picada! Passei ao ataque e comecei a usar cor, o mais aproximada possível ao meu tom natural, a pintar o cabelo todo, sem madeixas nem contemplações.

Consigo fazê-lo em casa, porque o que eu queria era muito simples, tapar os brancos, no tom mais aproximado ao meu, sem deixar que crescesse muito. Alterno entre o castanho claro da Excellance Creme e o Olia, ambos da L’Oréal (o primeiro com e o segundo sem amoníaco). Não gosto nada de ver a raiz a crescer e não quero nada tornar-me escrava do cabeleireiro, não tenho tempo nem paciência para isso, tanto que nem sou fiel a um cabeleireiro. Geralmente corre bem, mas é sempre uma operação delicada e que pode correr mal.

Tenho entretanto pensado muito em começar a fazer madeixas muito próximas ao meu tom natural, para ir incorporando os brancos, porque começo a ficar com aquela “auto-estrada” ao fim de três semanas, e não estou para ficar refém disto. Não sei se vai ajudar a espaçar mais as aplicações, ou se me vai tornar refém dos retoques, por enquanto ganha o DIY.

Se eu tivesse mesmo muitos cabelos brancos, eu gostaria de ter a coragem de assumi-los e fazer um statement tão forte como os que estas mulheres aqui em baixo fazem, acho o máximo um cabelo branco bem cuidado e cheio de estilo. Mas o cabelo com os brancos espalhados em todo o lado mas em clara minoria são uma fase que não é carne nem é peixe mas nem por isso nos deixa indiferente: é uma melga a rondar a nossa almofada, chata do caraças.

Quem é que também anda a remoer neste dilema ou a agir com determinação, seja a assumir os brancos, seja a despachá-los como se nada fosse?


INSTAGRAM   |   BLOGLOVIN   |  FACEBOOK

2 thoughts on “GOING GREY”

  1. Eu optei por madeixas incorporando os cabelos brancos mas mesmas resultado:menos idas ao cabeleireiro e não se nota tanto a raiz pois os cabelos misturam .

    1. É o que me faz querer passar a fazer madeixas – incorporar os brancos e pintar menos vezes o cabelo, mas tenho receio que em mim fique com um ar deslavado… tenho de fazer uma visita ao cabeleireiro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.