Muito longe vai o tempo em que eu queria parecer mais velha! Assim que cheguei aos vinte e poucos eu passei a querer parecer ter vinte e poucos e hoje quero parecer ter trinta, tops! O que se pretende é ter a frescura da juventude sem parecer uma pitinha teenager. Assim, há uma série de coisas, neste artigo apenas do pescoço para cima, que fazia quando era mais nova e que deixei de fazer e noto agora que me devolve juventude e aquele ar de quem ainda é novinha (espero eu!), de quem não é “senhora de idade” ou senhoreca.
1 | Deixei de me maquilhar tanto. Agora ponho o mínimo  de maquilhagem com o máximo efeito. Como aposto imenso na qualidade da minha pele, em limpeza e tratamento, vejo que está suficientemente lisa e livre de borbulhas e imperfeições para usar apenas uma camada fina de base, o mais líquida possível ou em pó. Uso esta da L’Oréal, que está descontinuada, mas aqui em baixo encontram boas alternativas e uso a Mat Lumiére em pó compacto da Chanel (que desconfio também estar descontinuada, ai a minha sorte!), sozinha ou a rematar a base.

2 | Por falar em maquilhagem… Deixei de usar sombras com brilhos, seja irisada ou metálica ou brilhos a sério. Nem cores garridas, fora do natural. A palavra de ordem é matificar e uniformizar os tons com leveza e transparência para alisar as rugas e dar um ar natural! Por isso, não vou usar sombras com brilhos ou cores pouco naturais, que se acumulam nas rugas, mas sim usar tons neutros e mates. Também deixei de delinear com lápis preto ou carregar demasiado na maquilhagem, fico demasiado pesada.

3 | Por falar em olhos… deixei de fazer as sobrancelhas. Bem, continuo a fazer as sobrancelhas, mas trabalho apenas o arco – dá um efeito lifting imediato! – e pouco mais. Esta moda das sobrancelhas mais cheias é óptima para devolver alguma naturalidade ao rosto, pelo que mantenho-as o mais próximo possível da sua forma natural e preencho as falhas com um lápis próprio para sobrancelhas. Uso este. Fundamental!

4 | Deixei de fazer madeixas marcadas ou cores malucas. Mais uma vez, o natural é o que se quer e o mesmo vale para a cor do cabelo. Procuro sempre o tom castanho claro (frio, o dourado deixa-me o cabelo demasiado acobreado). O que se pretende é ter o tom de cabelo que se tinha quando éramos crianças, esse é o nosso tom ideal, seja louro, moreno, geralmente mais claro do que o tom com que acabamos em adultas. A parte das madeixas na verdade eu nunca fiz, porque sempre fugi de me comprometer com cabeleireiro, e ainda bem. É muuuuito difícil encontrar um colorista que faça madeixas perfeitas, daquelas que parecem de criança ou são imperceptíveis. Pelo contrário, o que eu mais vejo por aí e lamento são madeixas demasiado claras ou demarcadas, que denunciam completamente que “já se faz madeixas”, que aquela cor não é a natural, mas sim algo artificial. Enquanto se tem um tom de cabelo mais uniforme, é sinal que não se tem a preocupação de o pintar… assim, o ideal será fazer luzes ou nuances, um ou dois tons abaixo do tom base e por forma a parecer super natural. Missão quase impossível!

5 | Esta última não deixei de fazer, antes faço todos os dias. Cuidar muito bem dos dentes, sobretudo mantê-los branquinhos. Não branco-acidente-nuclear à Paulo Portas, antes um branco normal mas claro, sem manchas, sem tártaro, sem amarelado. Não há nada que denuncie mais a idade do que dentes mal tratados ou envelhecidos.

INSTAGRAM   |   BLOGLOVIN   |  FACEBOOK

Facebook Comments

One thought on “5 COISAS QUE DEIXEI DE FAZER PORQUE ME FAZEM PARECER MAIS VELHA”

  1. Boa tarde,
    Concordo plenamente. Pouca maquilhagem, pois envelhece bastante quando exagerada. Foi-me dito à uns anos quando tirei uma formação de maquilhagem. Pele cuidada e menos produtos de camuflagem. Também deixei de pintar o cabelo, a conselho de um cabeleireiro., já que nao tenho cabelos brancos ainda.Quando muito umas nuances discretas. Nada de unhas de garras, e extensões de pestanas esquisitonas.

    Depois, quando crescemos um pouco, começamos a usar as coisas que realmente nos favorecem, e nao tanto o que está na moda. Pelo menos, eu vou priorizando isso. Marta Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.